Nova campanha publicitária da Empiricus traz Bettina Rudolph detalhando seu capital

Sediada no centro financeiro da capital paulista, a corporação Empiricus revelou em outubro de 2019 que conta com 360 mil leitores assinantes de suas publicações. Quem apareceu dando tal informação foi Bettina Rudolph, uma jovem copywriter que também atua em atividades de investimento. Ela também anunciou que 300 pessoas atuam na sede da companhia, o que significa dizer que alguns desses profissionais trabalham diretamente em tarefas de produção de conteúdos envolvendo as finanças no país e fora dele.

Rever os conceitos contidos na marca tem sido uma prática recorrente dentro da empresa, segundo o que foi levantado em alguns momentos de um vídeo que traz a colaboradora da Empiricus. Nesse processo, conforme o material, a empresa terá um setor que atuará em atividades ligadas à compliance, tratando-se de uma forma de submeter todas as publicações a especialistas do ramo jurídico.

No papel de representante da empresa Empiricus, o que se deu em face de ter mencionado suas estratégias de investimento em uma ação de publicidade. Quando contou ao público acerca de seu patrimônio, a copywriter deixou claro que, embora tivesse conseguido o primeiro milhão ainda com 22 anos, tal processo de enriquecimento havia se iniciado três anos antes. No passado, entretanto, a jovem enfatizou que guardava uma quantia significativamente menor.

Em face de ter surtido um efeito maior do que o imaginado, o que teve por base as próprias recordações financeiras de Bettina, o CONAR (Conselho Nacional de Autorregulação Publicitária), bem como o PROCON (Proteção ao Consumir) e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) empreenderam algumas inspeções em todo o segmento formado por empresas que prestam este tipo de serviço, ou seja, o que é em suma editorial, mas encontra embasamento no ramo de finanças.

No caso da CVM, a ocasião foi aproveitada para que o órgão realizasse a veiculação do que os especialistas costumam recomendar, com destaque para os investidores de menores aportes financeiros, que são representados por pessoas físicas, ou seja, que não investem como empresas, dado o grau elevado de risco financeiro que tais atividades possam conter. Vale salientar que a CVM também fez considerações envolvendo o modo como a publicidade pode abordar as questões de natureza financeira.

Se o material expôs um cuidado mais intensivo por parte dos órgãos de regulação financeira e publicitária, este também foi marcado por esclarecimentos que partiram de sua própria garota propaganda. A representante da Empiricus, que possui na empresa o seu trabalho e extrai dele alguns aconselhamentos, achou conveniente ressaltar ações que realizou no campo das finanças até se tornar uma jovem milionária no alto de seus 22 anos.

Os retornos futuros, conforme um anúncio que pode ser visto no material, não devem ser vistos como ocorrências que se comunicam com êxitos conseguidos em outros investimentos. O anúncio também enfatiza que não se pode garantir que algo que foi bem sucedido no campo das finanças possa se repetir, o que trouxe à tona a peculiar volatilidade do mercado financeiro. Além disso, ficou-se sabendo que a Empiricus passou a ter operações de compliance, que tratam exclusivamente das publicações.