Novos filmes do Homem-Aranha estão com o futuro incerto

O universo de filmes da Marvel, o qual já arrecadou mais de US$ 20 bilhões nas bilheterias a nível global, está correndo o risco de perder um de seus personagens mais importantes, o carismático Homem-Aranha. As notícias sobre esse imbróglio tomaram a internet nos últimos dias, quando a Sony confirmou oficialmente que o acordo do estúdio com a Disney para a produção dos filmes foi encerrado.

Apesar de ser um dos super-heróis mais famosos das histórias em quadrinhos criadas pela Marvel, os direitos do personagem foram vendidos em uma época em que a companhia estava em crise financeira, e atualmente pertencem a Sony.

Por essa razão, o personagem só apareceu no amplo universo de filmes da Marvel, que é uma das companhias que pertencem ao grupo Disney, depois das duas empresas firmarem em 2015 um acordo único nos padrões de Hollywood, no qual ficou decidido que ambas iriam produzir os longas do Homem-Aranha em conjunto, seguindo um modelo de divisão dos lucros.

Com a quebra do acordo, a Sony declarou que o presidente da Marvel Studios, Kevin Feige, um dos maiores responsáveis pelo sucesso recentes da companhia, não participará criativamente dos futuros filmes do Homem-Aranha. A Marvel, por sua vez, confirmou a notícia e ressaltou que estava “desapontada” com esse desfecho. Apesar de ainda ser impossível definir com exatidão, tudo indica que o Homem-Aranha não retornará aos filmes compartilhados do universo Marvel.

Segundo fontes norte-americanas, como o Deadline, o desentendimento entre a Sony e a Marvel tem razões financeiras. Especula-se que no antigo acordo entre as empresas, a Disney teria uma participação pequena nos ganhos com a bilheteria dos filmes do super-herói, de cerca de 5%, e por isso a companhia estaria tentando renegociar as porcentagens de lucro, algo que não foi bem aceito pela Sony.

Antes desse acordo ser desfeito, o Homem-Aranha interpretado pelo ator britânico Tom Holland teve participação de destaque em três longas dos estúdios Marvel, os quais arrecadaram bilhões de dólares em esfera mundial, incluindo o fenômeno “Vingadores: Ultimato”, lançado em abril de 2019, o qual se tornou a maior bilheteria da história de Hollywood.