Ministro da Alemanha quer multar pais que não vacinarem filhos contra sarampo

Projeto de lei elaborado na Alemanha por Jens Spahn, ministro da Saúde, visa aplicar multas para pais que não realizarem a vacinação contra sarampo em seus filhos. De acordo com as notícias informadas na Alemanha sobre o projeto de lei, os alemães poderão ter seus filhos excluídos de creches caso não realize a vacinação como orienta o protocolo específico do país.

A obrigatoriedade sobre vacinar crianças contra o sarampo é algo bastante discutido na Alemanha. De um lado órgãos do governo e defensores da vacinação falam sobre a importância da prevenção, e do outro lado pais lutam pelo direito de decidir se deve ou não vacinar seus filhos. A discussão e a iniciativa de Spahn sobre aplicação de multa para quem não vacinar os filhos contra sarampo ocorre juntamente com um aumento significativo nos casos de sarampo nos Estados Unidos. Os dados divulgados pelos órgãos americanos mostram que a doença atingiu seu nível mais alto desde 1994, quando houve um grande surto de sarampo.

Em defesa do projeto de lei, Spahn disse a um jornal local: “Eu quero acabar com o sarampo no país”. Spahn ainda explicou sua tese: “Todas as crianças que frequentam escolas ou o jardim de infância devem ser vacinadas contra sarampo”. Segundo Spahn, as escolas e creches do país atuaram na verificação da caderneta de vacina das crianças, o que permitirá um melhor monitoramento. “Quem deixar de vacinar seus filhos receberá uma multa de 2.500 euros”, informou Spahn sobre a multa prevista em seu mais novo projeto de lei. O valor informado pelo ministro da Saúde da Alemanha é equivalente a R$ 11 mil.

De acordo com as informações divulgadas por Spahn, tanto a chanceler Angela Merkel, que é considerada uma governista conservadora, quanto os sociais-democratas demonstraram apoio em relação ao projeto de lei proposto pelo ministro da Saúde. Na Alemanha, a maioria dos governantes acreditam que a vacinação é a melhor forma de erradicar a doença no país.

Na opinião do especialista em políticas de saúde da Alemanha, Karl Lauterbach, o projeto de lei é uma boa base para a discussão deste tema. Ele ainda acredita que a vacinação no país só funcionará com a aplicação de multas, conforme é proposto pelo projeto de Spahn.