Brasileiros arriscam US$ 500 mil para morar nos EUA

Ter direito a um green card para morar nos Estados Unidos pode ser possível quando um empresário investe em um empreendimento que gere pelo menos 10 empregos em dois anos. O visto EB-5 confere o direito ao cidadão brasileiro de morar definitivamente nos EUA.

Para quem tem US$ 500 mil que podem ser aplicados em solo norte-americano, essa é uma maneira arriscada de conseguir viver lá legalmente. O risco está no fato do negócio não ter o retorno esperado e nem cumprir todas as exigências para que a permissão que leva 18 meses ser aprovada, após o início do investimento.

Depois que fez o seu intercâmbio nos Estados Unidos, o executivo brasileiro Roberto Figueiredo, 43, se encantou pela infraestrutura nova do país e pela modernidade. Trabalhando no Brasil na área de vendas, ele permaneceu no ramo por mais de vinte anos. Já fazia oito anos que Figueiredo tinha interesse em se mudar para o país.

Além de ter uma preferência por países com uma estrutura nova, o executivo quer ficar longe dos problemas que o Brasil enfrenta como violência, crise econômica, política e das más notícias.

A bagatela de US$ de 500 mil (quase 2 milhões) foi investida no fim de 2017 para a construção de um hotel em Fort Lauderdale. Ano após ano o número de brasileiros que procuram conseguir o green card dessa forma cresce.

Somente no ano de 2017, o número de brasileiros que investiram no mínimo US$ 500 mil, chegou a 282, enquanto em 2015 somente 34 deram início ao processo.

De olho nesse movimento, advogados especializados em direito internacional começaram a dar palestras sobre o assunto no Brasil, publicar artigos na internet e auxiliar pessoas nesse assunto.

Além do investimento mínimo de US$ 500 mil os custos com a burocracia não são de se ignorar, são aproximadamente US$ 50 mil de taxa de administração e US$ 30 mil para honorários de advogados e taxas de migração.

Os novos moradores permanentes acreditam que o estilo de vida nos EUA propiciam mais segurança e facilidade na qualidade de vida como transportes e estudos, ainda que problemas na política existam.