O que é o Sarampo?

O Sarampo é uma enfermidade infectocontagiosa grave causada por um vírus chamado Morbilivírus, que transmite a doença através de secreções respiratórias e causa a exaltação nos vasos sanguíneos.

Há alguns anos atrás era extremamente raro encontrar alguém que não tivesse contraído sarampo durante a infância, já que havia o mito de quanto menores as crianças contraíssem a doença, menos grave seria e menos complicações aconteceriam, por isso muitas vezes as crianças eram expostas a conviver com algum enfermo para adquirir a doença.Esta situação, e consequentemente a percepção, mudaram com a fabricação de uma vacina que começou a ser usada em humanos em 1960. Como a vacina era muito eficiente, fez com que a doença fosse quase erradicada do nosso país, somente alguns anos surgiram casos da mesma.

Os sintomas normalmente começam a aparecer após dez dias de contaminação, e o sarampo embora comum na infância, é extremamente grave, podendo levar gestantes ao aborto.

Os principais sintomas da enfermidade são: manchas vermelhas na pele, que se estendem por todo o corpo, febre, tosse, mal-estar, conjuntivite, coriza, falta de apetite, entre outros. Os sintomas mais graves da doença podem ser Otite, pneumonia e encefalite.

O diagnóstico da doença é feito na maioria das vezes através de exames clínicos, e para não restar nenhuma dúvida é feito o exame de sangue em determinados casos.

O Sarampo é conhecido como uma doença autolimitada, e justamente por isso, o tratamento desta enfermidade visa aliviar os sintomas. As principais ações a serem tomadas são: o repouso absoluto, hidratar-se bastante, ingestão de alimentos leves e nutritivos e a ingestão de antitérmicos, com prescrição médica, para diminuir a febre. Em alguns casos onde a imunidade fica muito prejudicada, é necessário um tratamento especial para aumenta- lá.

E o principal meio para se proteger da doença é a vacina anti- sarampo, eficaz na grande maioria dos casos. Esta vacina deve ser dividida em duas doses e aplicada na criança a partir dos nove meses de vida. Adultos que não foram vacinados quando crianças e que não contraíram a doença também podem tomar, com exceção de mulheres grávidas e pessoas com depressão, segundo informações do site do Dr. Drauzio Varela.

As principais recomendações se baseiam em cumprir o calendário de vacinação de crianças e caso não tenha seu calendário em dia, é necessário correr atrás de um centro de vacinação. Nas primeiras notícias ou sinais de uma mancha no corpo é necessário procurar um médico para averiguar.