Robôs japoneses caminham sobre asteroide a 160 milhões de quilômetros da Terra

Em um pedaço de rocha espacial primitiva a 160 milhões de quilômetros da Terra, dois minúsculos robôs deram seus primeiros “passos” cautelosos. Seus passos foram os primeiros movimentos feitos por qualquer espaçonave lançada pelo homem em busca de estudar um asteróide.

Os robôs foram deixados no topo do asteroide de 804 metros de largura chamado de Ryugu. O nome Ryugu vem de um popular conto japonês. Na história, Ryugu é um palácio mágico no fundo do mar, onde um pescador recebe uma misteriosa caixa com um tesouro.

O dois robôs chegaram no asteroide através da espaçonave Hayabusa 2. O Ryugu mede cerca de 10 quarteirões de uma cidade convencional. Os robôs e naves espaciais foram construídos pela Agência Espacial Japonesa, JAXA. No final de setembro deste ano, a JAXA divulgou notícias sobre uma imagem impressionista do local de pouso dos robôs, mostrando a escarpada pedra escura de Ryugu iluminada por um brilhante raio de luz do sol.

Os robôs são chamados MINERVA-II 1a e 1b e têm aproximadamente o tamanho e a forma de uma lata de biscoitos. Motores movidos a energia solar lançaram os robôs na baixa gravidade do asteróide, permitindo que eles se deslocassem pela superfície rochosa para tirar fotos e coletar dados da temperatura do Ryugu.

“Não consigo encontrar palavras para expressar o quanto estou feliz”, disse Yuichi Tsuda depois de ouvir que os robôs haviam chegado em segurança. Tsuda é responsável pelo projeto.

Nos próximos meses, os robôs MINERVA-II serão acompanhados por mais dois robôs terrestres. A Hayabusa 2 também esmagará o asteróide com explosivos preparados para detonar parte de sua superfície. O objetivo é expor material subterrâneo que a espaçonave irá coletar e eventualmente enviar de volta para a Terra. Se tudo correr como planejado, será a primeira missão a retornar com uma amostra de um asteróide do tipo C. Os asteróides do tipo C são alguns dos objetos mais antigos do sistema solar. Eles são como as cápsulas do tempo de mais de 4 bilhões de anos atrás, os primeiros dias do sistema solar.