Erros mais comuns dos empreendedores que possuem um negócio online

Com o crescimento da internet, não faltam oportunidades de negócios online, e a tendência é que eles aumentem ainda mais devido à praticidade e aos baixos custos de criar uma empresa na internet.

Lojas virtuais, blogs, vlogs e soluções inteligentes, como as famosas startups, são as opções, todas bastante lucrativas quando o empreendedor realmente consegue acertar a mão.

Mas será que tudo que é criado vai dar certo? Nem sempre, por isso é importante que quem quer montar um negócio online se atente a alguns pontos, como:

1 – Não fazer tudo sozinho

Dependendo do negócio, é possível sim fazer tudo sozinho, mas dependendo da especificidade do produto ou da solução, dificilmente alguém conseguirá realizar todo o processo sem a ajuda de um sócio ou de um funcionário.

É importante que o empreendedor perceba a hora de ter uma parceria para dar mais eficiência ao projeto.

2 – Não escolher o nicho errado

O empreendedor deve escolher um nicho específico para que o investimento não seja tão alto, para que as perdas sejam menores caso o negócio não evolua e para que as chances de atingir o cliente potencial sejam maiores.

Por outro lado, a escolha do nicho deve ser assertiva, caso contrário, dificilmente o projeto vai chegar nos resultados esperados.

O produto precisa resolver problemas e levar soluções para as pessoas para despertar o interesse.

3 – Não se dedicar parcialmente

É muito comum que os empreendedores, no início do negócio, mantenham os seus empregos formais. Nada mais justo, afinal, nem sempre o dinheiro de um projeto que acabou de sair do forno é suficiente para arcar com todas as despesas pessoais.

Porém, algumas vezes, o empreendedor precisará fazer uma escolha, já que a dedicação parcial ao projeto pode fazer com que ele simplesmente não aconteça. Alguns negócios realmente precisam de mais horas de atenção para alavancarem.

Dependendo do contexto, vale mais a pena sair do trabalho formal, usar as economias ou o dinheiro da rescisão de contrato para se manter, além de rever as despesas e fazer um sacrifício financeiro por alguns meses para poder se dedicar inteiramente a um projeto.