Entenda, com Rodrigo Terpins, o que é o Desafio de Bonn e a Iniciativa 20×20

Você sabia que em todo o mundo existem mais de dois bilhões de hectares de terra degradada que oferecem oportunidades de restauração? Trata-se de uma extensão maior que a América do Sul. Ainda, grande parte destas terras encontra-se em áreas tropicais e temperadas, destaca o sócio da empresa de reflorestamento ambiental Floresvale, Rodrigo Terpins.

Considerando esse cenário, foi lançada em setembro de 2011, durante uma mesa redonda em Bonn, na Alemanha, o chamado Desafio de Bonn. A iniciativa refere-se a um esforço internacional de recuperação da paisagem florestal, onde a intenção é restaurar 150 milhões de hectares de áreas desmatadas ou degradadas até 2020, e uma extensão adicional de 200 milhões de hectares até 2030, reporta Rodrigo Terpins.

Ainda nesse contexto, na América Latina e no Caribe, os governos comprometeram-se, também até o ano de 2020, a restaurar 20 milhões de hectares – configurando a Iniciativa 20×20. Em se tratando apenas de Brasil, o sócio da Floresvale ressalta que o país entra no Desafio de Bonn e na Iniciativa 20×20 com uma contribuição voluntária para restaurar, reflorestar e promover a regeneração natural de 12 milhões de hectares até 2030. Para a Iniciativa 20×20, a contribuição brasileira inclui também a recuperação de cinco milhões de hectares de pastagens degradadas até o ano de 2020.

“Restaurar 12 milhões de hectares de terras florestais desmatadas e degradadas até 2030, através da restauração florestal, reflorestamento e regeneração natural são um caminho para o Brasil alcançar grandes reduções nas emissões para o Acordo de Clima de Paris”, ressaltou, ainda, a Diretora Executiva da World Resources Institute (WRI) – uma organização de pesquisa global que abrange mais de 50 países – do Brasil, Rachel Biderman. Ou seja, restaurar essas áreas também ajudará a suavizar os efeitos das mudanças climáticas, reproduz Rodrigo Terpins.

Todo esse esforço, no entanto, pode render dividendos

A diretora executiva de uma comunidade global de profissionais de restauração que inclui pesquisadores, profissionais, decisores e líderes comunitários da África, Ásia, Austrália / Nova Zelândia, Europa e Américas – a “Society for Ecological Restoration” –  Bethanie Walder, já afirmou que “investir na restauração ecológica faz sentido do ponto de vista econômico e também ecológico”.

A estimativa da WRI é de que os US $ 1,15 bilhão já destinados à Iniciativa 20×20 poderiam resultar em retornos econômicos de US$ 23 bilhões nos próximos 50 anos. Rodrigo Terpins salienta que outro benefício da iniciativa é que, nesses mesmos 50 anos, é possível sequestrar quase cinco gigatoneladas de CO2.

A Floresvale

A Floresvale é uma empresa de reflorestamento ambiental que pertence à Rodrigo Terpins e ao seu sócio e irmão Michel Terpins.  Fundada em 2009, ela atua no manejo de florestas de eucalipto para serraria no Vale do Paraíba, entre os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

O negócio dos irmãos Terpins trata-se da principal empresa de base florestal focada em madeira sólida de eucalipto (DAP 30cm) no Vale do Paraíba e Sul Fluminense. A Floresvale vem desenvolvendo um polo madeireiro sustentável, ela já mantém cerca de 5.000 ha de florestas sob manejo e comercializa mais de 3000 metros cúbicos/mês de toras com diâmetro acima de 0,30 metros.